30 julho 2010

por acaso: desejo.

seus olhos lhe injetavam persuasão. ele tremia, mas não era de medo. ela estava nua e sentou-se na cama com as mãos sobre os joelhos. abriu as pernas e sorriu demente. ele olhou para as unhas vermelhas e pode imaginá-las dilacerando suas costas.

ela fechou os olhos. ele entendeu.

um tempo depois estavam exauridos:
ele com as costas ardendo, ela com as pernas fechadas.

e ambos com uma satisfação depravada demais para sentirem qualquer culpa ou arrependimento

4 comentários:

Thiago da Hora Souza disse...

E tem como sentir culpa depois disso?!

Helder Wancris disse...

Tem apenas como sentir inveja!

gabriela m. disse...

eu não pude deixar de rir com 'satisfação depravada'.
funcionou tão bem.

Jaqueline disse...

Nossa... me passou um filme na cabeça!