03 setembro 2009

eu digo sim

E a minha música é feia
Bela
Feita para ser feia e tratada assim
E quando se abre
É um corte exposto
(mulheres q dizem sim - s.o.s)
eu digo sim.
abro as minhas pernas
e o sorriso largo.

o dinheiro é meu.
o que eu compro
eu pago.

e ninguém tem nada com isso.
chega de praticidade cafona
dessa moral mandona
essa vida suburbana.

eu amo a minha vida:
mundana
profana
pagã
dela só fica de fora
o tal do satã.

5 comentários:

Jaya disse...

Amém?

Eu amo amar a vida. E te ver amor, na tua.

Beijo, moça.

Jaya disse...

Sabe, não deixa de ser Ligia. Já comentei aqui, um dia, sobre aquilo:

'Mas teus olhos castanhos me metem mais medo que um dia de sol...'

Como a gente se perde em olhares que não são nossos?

Ah...

Cheironitu.

Gabriela M. disse...

geralmente não gosto de poesia. não mesmo.
mas curti muito o teu final:

"pagã
dela só fica de fora
o tal do satã."

.
faz todo sentido pra mim.
bj bj

Bê Matos disse...

adoro poesia. :)
essa, é linda!

beijos

GMartinsS disse...

Voce me inspira...
rsrs...

Adoro tudo que escreves...

Ahh...
Tolo coração...
Encanta-se com tamanha facilidade...
Que até irrita a minha razao...
rsrs...

Beijos

Amo-te!!!!!!!