21 junho 2010

considerações nº 12

lembrança e saudade caminham sem medo
no esquecimento de olhos cerrados
assim como as ondas que apagam meus passos
esperando o mar que nunca vem beijar meus pés.
(china - as ondas que não chegam nos pés)



e então ela abriu a janela, e um frio escuro lhe estapeou a cara.
ficou olhando a escuridão, forçando os olhos pra enxergar qualquer
coisa que pudesse estar escondida ali. não viu nada. não havia nada.
estava presente apenas o frio e o escuro, ambos tão iguais e juntos,
que ela não pôde separar a janela aberta de seus olhos voltados
para dentro de si mesma.

2 comentários:

gabriela m. disse...

e coragem pra atravessar esse escuro que é mais escuro que o que existe lá fora?

.p.atricia r. disse...

ela fecha os olhos e vai...